11 dicas eficientes para organizar o estoque de sua loja de calçados

organizar o estoque

É fundamental organizar o estoque para que o dinheiro investido nas mercadorias tenha sucesso, retorno financeiro nas revendas e rotatividade entre os produtos que chegam e saem.

Há uma constante busca pelo equilíbrio entre prateleira e estoque em lojas de calçados. Separamos 11 dicas para facilitar o controle de estoque e tornar esses processos mais fáceis e práticos de serem realizados. Veja!

1. Controle as entradas e saídas

Pode parecer óbvio, mas o controle de entradas e saídas de mercadoria é o primeiro passo para organizar o estoque da loja de calçados. Mantendo esse exercício diariamente, você evitará prejuízos no seu negócio.

Ademais, esse monitoramento também proporciona um melhor entendimento com relação ao seu negócio. Observando quais são os calçados mais vendidos, por exemplo, você saberá em qual público investir para gerar mais lucro, quais calçados colocar na vitrine e até definir um bom preço para vendê-los.

organizar o estoque

2. Nem falta, nem excesso

Se por um lado estoque parado “é dinheiro parado”, mercadorias em falta são extremamente prejudiciais ao lojista e também ao consumidor. Quer algo mais decepcionante que dizer ao cliente que o produto está em falta?

Estar desatualizado e acomodado é um grande risco. Talvez, esses problemas estejam acontecendo pela falta de pesquisa de mercado, de cliente e tendências. Por isso, pesquise e saiba o que está em alta no segmento, quais as melhores estratégias de atuação e a demanda para datas sazonais.

3. Determine um inventário rotativo

A prática do estoque rotativo visa determinar um controle periódico de todos os produtos, com a definição de ciclos regulares para a contagem. Deixe uma equipe responsável para isso, mas também esteja ciente dos processos.

Se tudo for executado de acordo com o planejamento e periodicamente, falhas na contagem, na reposição, rotatividade dos produtos e nas operações serão menores.

4. PEPS e UEPS

Você já ouviu falar nas siglas PEPS e UEPS? Tratam-se de métodos para controle de estoque.

PEPS

PEPS significa Primeiro que Entra, Primeiro que Sai. Ou seja, a prática sugere dar prioridade aos produtos de acordo com sua chegada ao estoque, uma espécie de ordem cronológica. Se há confusão e transtornos no giro dos produtos estocados, pode ser bastante útil.

Além disso, esse método pode evitar alguns prejuízos. Vamos supor que você tem 50 botas em estoque que custam R$ 50. Ao fazer um novo pedido de mais 100 pares do mesmo modelo, o preço subiu para R$ 51.

Se, ao chegar a nova remessa, você misturar os lotes e vender todas as peças ao mesmo preço para o consumidor final, o cálculo do seu lucro terá R$ 1 a menos nos pares que você obteve a R$ 50. Ou seja, poderá causar uma desorganização no seu controle financeiro.

UEPS

Já a técnica UEPS segue a premissa do Último que Entra, Primeiro que Sai. No entanto, é levado em consideração o preço do último lote que chegou ao estoque.

Tomando o mesmo exemplo das botas: caso você tenha em estoque 50 botas que você pagou R$ 50, e chegue uma nova remessa com 100 pares com custo de R$ 51, você venderá primeiro o lote mais recente.

Isso pode gerar uma supervalorização dos seus produtos, e consequentemente, um maior lucro imediato. Supondo que sobrem produtos e você queira fazer uma “ponta de estoque” para não perder o lote. No caso do PEPS, o desconto será calculado das chegadas mais recentes, ou seja, dos R$ 51, tornando o preço menos atrativo para o consumidor e reduzindo seu lucro.

Já com o método UEPS, você poderá calcular o desconto sobre o menor preço, situação que fica mais interessante tanto para você quanto para o consumidor.

Muito importante: o método UEPS não é permitido para questões fiscais, apenas para controle de estoque. Isso porque poderia reduzir o resultado passível de tributação, graças aos preços diferentes de mercadoria.

organizar o estoque

5. Mantenha contato com fornecedores

A relação entre empresa e fornecedor deve ser muito bem firmada antes de assinar o contrato. Agilidade na entrega e atendimento de qualidade necessitam ser prioridade, além de cumprimento de prazos e horários.

O ideal é ter uma fornecedora que esteja aberta para negociações e que também possa oferecer um panorama sobre o mercado. Mantenha contato com a empresa, pesquise por produtos, negocie preços e prazos.

Fornecedores flexíveis vão possibilitar um fluxo de vendas e organização de estoque muito mais agradáveis e assertivas.

6. Faça ações para produtos pouco vendidos

Ter produtos parados no estoque não é nada bom – fundamentalmente ao caixa da empresa. Para evitar esse tipo de problema, esteja inteirado sobre o mercado e evite produtos que não são tão vendidos em determinado período do ano ou que fujam do interesse do seu público.

Se por um acaso acontecer, ofereça promoções e “queimas de estoque” para facilitar a saída dos produtos. Um “compre um leve dois” também pode ser outra alternativa. A intenção é unir o útil ao agradável: criar ações de fidelização com clientes e, ao mesmo tempo, girar o estoque.

7. Utilize um sistema de gestão

É preciso ter o controle total das operações para evitar o enfraquecimento do estoque. As planilhas até podem ser eficientes, mas o ideal é optar por um bom software de gestão empresarial.

organizar o estoqueAlém do sistema permitir o controle de todas as movimentações da empresa, desde o contas a pagar e receber aos indicativos de lucros e crescimentos, é possível organizar o estoque e gerenciar tudo o que entra e sai.

A ausência de produtos e previsões para novos abastecimentos são facilmente controlados com a utilização de um software.

8. Organize o espaço físico

O local onde seus produtos serão armazenados necessita ser muito bem planejado. O espaço físico é de fundamental importância para a fluidez dos processos e das movimentações entre estoque e prateleira.

Adeque o local para que todas as mercadorias estejam de fácil acesso e transporte. Assim, você evita a demora na verificação de produtos e no possível “esquecimento” de outros, bem como torna mais simples organizar o estoque.

Além disso, é necessário que os produtos sejam organizados periodicamente nesse local, pois, conforme são retirados, é comum que o estoque fique desorganizado. Uma dica é já deixá-los na ordem escolhida para a saída, seja PEPS ou UEPS.

9. Treine os colaboradores

De nada adianta organizar o estoque da sua loja de calçados se, na prática, os colaboradores não forem instruídos para mantê-lo dessa forma. Por isso, é muito importante treinar seu time para saber lidar com os produtos.

Uma dica é deixar um membro da equipe como responsável por inspecionar esse serviço diariamente: pode ser o gerente da loja, o líder da equipe de vendas, ou até você mesmo, se preferir. Essa pessoa deve conferir os relatórios de entrada e saída e, pelo menos semanalmente, comandar a reorganização dos produtos em estoque.

organizar o estoque

10. Observe a margem de perdas e danos

Os calçados não são produtos perecíveis. Mesmo assim, podem ocorrer diversas situações que caracterizem perdas e danos para o seu estoque, como produtos sem (ou com pouca) saída, furtos e falhas operacionais.

Segundo o Ibevar, a margem do varejo costuma ser de cerca 2,25% do faturamento líquido. Portanto, diminua essa porcentagem da suas projeções para ter um índice mais realista dos seus lucros.

Além disso, ao fazer o monitoramento do seu estoque diariamente, você poderá trabalhar para reduzir essas perdas.

11. Defina um fluxo de reposição

Periodicamente, é necessário repor o estoque da sua loja. Fazer isso conforme a demanda pode dificultar seu controle, portanto, defina um fluxo para que você faça o pedido de novas mercadorias. Não se esqueça de observar qual modalidade mais se encaixa ao seu comércio!

Reposição contínua

Nesse tipo de fluxo, o lojista mantém poucos itens em estoque, e faz a reposição com mais frequência. É muito útil para lojas que têm pouco espaço disponível para armazenamento ou pouco dinheiro em caixa para investir em uma compra grande de mercadorias.

Em contrapartida, é mais difícil conseguir negociação com os fornecedores, que geralmente oferecem mais descontos para grandes aquisições.

Reposição periódica

Os comércios que optam por esse tipo de reposição devem definir datas para fazer novos pedidos, independentemente do número de itens em estoque. Optando por esse tipo de reposição, é mais fácil saber quando chegarão novos produtos, e é possível conseguir itens mais baratos com o fornecedor.

A principal desvantagem é o esgotamento de um produto específico com boa saída. Nesse caso, você terá que esperar até a próxima data de pedido para tê-lo em seu estoque.

Para o varejo calçadista, organizar o estoque é um fator de extrema importância e que vai muito além da disposição de cada produto. Manter processos diários de controle afeta positivamente nas suas vendas.

Quer receber conteúdos sobre gestão para o varejo calçadista? Assine nossa newsletter preenchendo o formulário abaixo!

0 Comentários

    Deixe um Comentário

    Login

    Welcome! Login in to your account

    Remember me Lost your password?

    Lost Password